Conselhos Úteis para uma Decoração Eficaz

Foto 1- pinterest

Você vai decorar uma nova casa ou renovar algum ambiente? Nesta hora, muitos profissionais alertam para a importância  de não nos descuidarmos de certas particularidades que podem comprometer um resultado satisfatório. Selecionei alguns conselhos que podem ser úteis para  evitar falhas que normalmente acontecem neste processo.

1. Evitar a tentação de decorar tudo imediatamente.

O desejo de ver tudo pronto e a pressa em definir toda a decoração, podem nos levar a vários erros de avaliação, tanto na escolha dos móveis, quanto na escolha estética. Uma casa feita a toque de caixa pode resultar impessoal e com cara de catálogo de móveis. Lembrem-se que uma casa se faz com o tempo e evolui com os anos. Afinal é muito mais prazeroso vivenciar com calma a definição dos detalhes, como garimpar  peças únicas, identificar mais precisamente o próprio gosto e a melhor  forma de usufruir dos espaços.

2. Atenção especial na escolha dos acessórios.

É comum nos concentrarmos muito na escolha de móveis de grande dimensão, de maior utilização e deixarmos mais ao acaso a escolha dos complementos, como tapetes, cortinas, almofadas, vasos e objetos. Devemos ter uma atenção especial ao fazer essas escolhas, pois, acessórios equivocados podem estragar tudo e deixar o ambiente sem sentido e insípido. Já uma composição bem estudada de todos os elementos, gera grande harmonia.

3. Criar uma identidade cromática.

É essencial na decoração de um interior a definição de uma paleta de cores e a escolha criteriosa das tonalidades, que serão a base de um ambiente. É muito arriscado definir as cores das paredes, dos tecidos e objetos seguindo somente o instinto. Podemos chegar a resultados muito decepcionantes e difíceis de digerir. Se não se sente apto a fazer essa definição, a melhor opção é buscar o conselho de um profissional.

4. Pendurar os quadros na parede na posição correta.

Parece uma tarefa fácil pendurar os quadros na parede, mas na realidade não é tão simples, principalmente, quando estes possuem molduras de formas e estilos diferentes. É sempre aconselhável estudar a disposição com minúcia, para dar às paredes uma certa coerência. Em muitas situações, eles são posicionados muito no alto, quando o correto, é seguir a regra das galerias de arte e pendurá-los aproximadamente a 160 cm do piso, considerando a base. Ao invés de colocar um quadro em cada parede é melhor reuni-los em uma única,  compondo  com as cores, dimensões, sem receio de misturar antigo e contemporâneo, fotos de famílha e desenhos dos filhos.

5. Levar em consideração o próprio estilo de vida.

Jamais decore a sua casa com móveis que não se adaptam ao próprio estilo de vida. Se você é um amante dos animais e possui vários que giram pela casa, por exempolo, ou se adora comer no sofá e na sala, deve adquirir peças e móveis que atendam à essas necessidades e exigências, de forma que se possa desfrutar o máximo do próprio lar.

4 Mood de cores para decorar a sala

As cores podem ser o principal elemento de uma decoração.  Ter como inspiração uma combinação de cores específica pode ser um caminho muito  estimulante para  criar atmosferas singulares, que fazem sonhar e  que sejam  a expressão pessoal de quem  habita um lar. Compor um “mood” é  forma muito eficaz de criar uma composição de cores para decorar um ambiente. Determinar aquele que será  o “mood” de um espaço ajuda, também, a colher novas tendências, aprender a misturar as cores, combinar  os tecidos, escolher lâmpadas, tapetes e acessórios.

Mas o que é o mood? Bem, O mood é uma palavra em inglês que significa humor e pode ter muitos desdobramentos do mundo da decoração. Fundamentalmente, em design de interiores,  o mood é uma composição de cores, objetos e  materiais que serão o tema de decoração de um determinado ambiente.

Sempre digo que não devemos temer as cores. Através delas é possível transmitir emoção, calor, vivacidade, tranquilidade, ou seja, uma infinidade de sensações, que podem ser  a tônica de um projeto. Esta semana me diverti  a criar diferentes “moodboards” tendo as cores como principal fio condutor.  Escolhi a sala para compor  algumas  combinações cromáticas, desde a mais suave até mais  contrastante. Através deste exercício  busquei transmitir inspirações para dar vida e valorizar esse ambiente da casa.

Mood 1 –  Tons pastéis

Foto - 01

  1. Tapete Bliss da CC-tapis, Design by Mae Engelgeer
  2. Sofá Peggy da My Home Collection, Design by Angelettiruzza
  3. Pouf Belt da My Home Collection, Design by Elena Salmistraro
  4. Vasos Aileron da Roche Bobois, design by Jean-Christophe Clair
  5. Pendente Bolle Bubble, design by Cristiana Giopato & Christopher Coombes
  6. Mesa de centro Pretty da My Home Collection, design by Angelettiruzza

 MOOD 2-  Uma sala em  Azul e verde

Foto 03

  1. Sofá Geo da Saba Itália, Design by Paolo Grasselli
  2. Tapete Triple Slinkie da CC – Tapis, design by Patrícia Urquiola
  3. Pouf Five da Muuto, design by Anderssen & Voll
  4. Vaso Primates da Bosa, design by Elena Salmistraro
  5. Sideboard Selene da Baxter, design by Hagit Pincovici
  6. Mesinhas Mastea da Minisforms

Mood 3 – Cores vibrantes na decoração

Foto 04

  1. Poltrona Stay Lounge Chair da G
  2. Mesa de centro Prometeo da Baxter
  3. Sofá Belt da Moroso, desing by Patricia Urquiola
  4. Vaso Transformed Stacking Vessels da Utopia and Utility, design by Pia Wüstenberg
  5. Vaso em murano King da Purho, design by Karim Rashid
  6. Biombo Shade da Saba Italia
  7. Tapete RUSTIC-CHIC da GAN design By Gandia-Blasco
  8. Almofadas RUSTIC-CHIC da GAN design By Gandia-Blasco

Mood 4  – Cores que se inspiram no tapete

Foto - 02

  1. Lâmpada Kabuki da Kartell, design by Ferruccio Laviani
  2. Sofá Casa Modernista da Moroso, design Nipa Doshi & Jonathan Levien
  3. Poltrona Kepi da Saba Itália, design by Design Emilio Nanni
  4. Tapete Marroco de Calligaris
  5. Vaso Scholten & Baijings da Hay
  6. Vaso Nimble da Present Time
  7. Poltrona Bouquet da Moroso, design by by Tokujin Yoshioka
  8. Pouf Stool da Fritz Hanzen, design by Cecilie Manz
  9. Mesa de Centro Modernista da Emdoisdesign

Texto publicado na Revista Ludovica